Inquisição paira sobre os órgãos de defesa do patrimônio

jurema machado

Foto: Janine Moraes

Segundo matéria publicada hoje na Folha Ilustrada:

“Órgão (IPHAN) vai liberar Torres perto do Oficina” 

Estas Torres são as da Sisan Empreendimentos Imobiliários, q faz parte do Grupo Silvio Santos, e irão, se aprovadas, sufocar o Teat(r)o Oficina y o Bixiga.

Jurema Machado, no seu Laudo do Tombamento do Teat(r)o Oficinatem a réplica necessária à matéria da Ilustrada de hoje, dia 1 de fevereiro d 2016

Tenho certeza q ela acredita até hoje totalmente no q escreveu. Mas, de uma maneira ou de outra, sinto q paira sobre a cabeça de Jurema a inquisição como a q caiu  sobre a cabeça de Galileu Galilei, ou mesmo a ameaça de ser queimada como Joana d’Arc.

É um escândalo  Cultural e Político isso acontecer com uma Autoridade e Pessoa tão fundamental na Presidência do Instituto de Preservação do Patrimônio Histórico e Artístico do Brasil, não poder fazer o q pensa pro bem do Patrimônio Histórico y Artístico Brasileiro.

Leiam com atenção estas palavras q resumem seu parecer do Tombamento de 2010.

É o q Jurema,  como arquiteta, urbanista, técnica e pessoa afetiva, pensa, sente e vive hoje ainda:

 

RESUMO DO Q IMPORTA AGORA

A relação entre o Teatro Oficina e o Bexiga e as recomendações quanto ao entorno:
Os imigrantes italianos pobres, que se instalaram nos pequenos lotes do parcelamento da Chácara do Bexiga no final do século XIX, encontraram ali o núcleo semi-rural de Saracura, onde existia um remanescente de quilombo. Uma situação topográfica complicada, a proximidade do centro e da Avenida Paulista, fizeram do Bexiga um reduto de trabalhadores domésticos das casas de alto padrão, operários, trabalhadores informais, pequenos comerciantes. Esse modelo, que, segundo Raquel Rolnik em A Cidade e a Lei – legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo, se reproduziu em vários bairros da cidade, explica porque o Bexiga é hoje, não apenas o bairro dos italianos, mas o lugar das festas populares, do samba paulista, de uma das mais importantes escolas de samba do país – a Vai Vai, e dos terreiros de candomblé. Em torno dos anos 1960/70, o Bexiga se tornou um pólo da vida boêmia da cidade, lugar dos teatros (ainda hoje são mais de dez), bares e cantinas, hoje integrados a um circuito turistico-cultural de São Paulo.

Encontra-se em desenvolvimento, pelo Departamento de Patrimônio Imaterial do IPHAN, o inventário de Referências Culturais da região, que poderá oferecer insumos importantes para a salvaguarda desses valores culturais.

Tombamentos municipais (cerca de 900 imóveis) e zonas especiais (ZEPCs – Zonas de Especialis de Patrimônio Cultural e ZEIS – Zonas Especiais de Interesse Social) previstas pelo Plano Diretor atestam a importância do bairro e o interesse de se preservar ali, não apenas edificações, mas os usos e a diversidade que são o seu maior valor.
É imediato associar o Teatro Oficina a esse contexto por duas vias: tanto o Oficina pode ser tomado como elemento chave de um processo de reabilitação, quanto a preservação dos valores do bairro é essencial à vitalidade do Oficina.

O que não fica claro – e deveria merecer uma avaliação mais aprofundada – é porque uma cidade como São Paulo, onde se tem a maior e mais consolidada experiência de aplicação de instrumentos urbanísticos como a transferência do direito de construir e as operações urbanas não elegeu o Bexiga para a aplicação prioritária desses mecanismos, justo uma região tão bem localizada, que tem potencialmente muito mais valor para São Paulo – até mesmo sob o ponto vista estritamente financeiro – pela sua diversidade cultural do que pela quantidade de metros quadrados que se possa construir ali. Edificações com destinações comerciais e de serviços, que não tenham outros requisitos locacionais a não ser a acessibilidade, podem ser deslocadas dentro do espaço da cidade utilizando instrumentos dessa natureza. Já o lugar das práticas culturais é ali, e só ali. Se não for ali, o Bexiga como tal deixará de existir.

Jurema Machado
Rio de Janeiro, 24 de junho de 2010

Conclusão
Considerando o Parecer da Relatora e após discussão do Conselho, foi a seguinte a decisão final:

  • Pela inscrição do Teatro Oficina no Livro de Tombo Histórico e no Livro de Tombo das Belas Artes.

  • Pela re-avaliação posterior, pelo IPHAN, da delimitação do entorno, tendo em vista tratar-se de bem a ser inscrito também no Livro de Belas Artes e não exclusivamente no Livro Histórico,e

  • Pela manifestação, ao Ministro da Cultura, de que o Ministério e o governo federal identifiquem mecanismos que viabilizem a destinação do terreno contiguo ao Teatro Oficina para um equipamento cultural de uso público, utilizando mecanismos tais como a aquisição, a desapropriação ou a conjugação destes com instrumentos urbanísticos a serem identificados em cooperação com o Município e com o Estado de São Paulo.

 

Processo de tombamento N 1.515-T-04

Teatro Oficina, de São Paulo

 

Zé Celso

…a Terra gira… stá girando 

Anúncios
1 comentário
  1. Céli Nunes disse:

    …do Tyaso, vindos de alguma montanha ecoam cantos: Evoé Baco!!! Evoé!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: