Diário de TyZÉRias #06 | camila cacilda mota + TyZÉRias, aos generosos mecenas: invistam no melhor teatro do mundo! (parte 1)

tizerias + cacilda

TyZÉRias e Cacilda no Baile das Torres, prestes a semear o terreno do entorno cercado. Foto: Mário Pizzi

zé,

acho q como bateu,

atingiu as pessoas,

sobre a importância de tirar a corda do seu pescoço,

mas é também fundamental atingir, chegar, bater,

q sua situação está nesse ponto também – e muito – pela diminuição radical de investimentos no trabalho da cia em 2015.

o dinheiro no ano da crise foi muito pouco – por volta de 40% do q ganhamos em 2014.

isso fez com q experimentássemos um tipo de comuna, com os cachês equivalentes, já q não faria sentido fazer distinção de salários – o mínimo seria pouco demais.

assim, você com 57 anos de teatro, ganhou a mesma coisa q atores ainda muito inexperientes.

criamos bastante na crise, com menos patrocínio, produzimos como coelhos pra manter o teatro aberto e ganhar bilheteria – pra dar um fim no juízo de deus, de artaud, o banquete de Sócrates, platão e zé celso, navalha na carne, de plínio marcos, com direção de marcelo drummond, q estreou no sesi num festival, o festival de música das bandas do oficina, a segunda dentição da universidade antropófaga e mistérios gozosos, a partir de o santeiro do mangue de oswald de andrade – estes dois últimos como parte do projeto oswaldianas, teato na cidade seca sobre rios, patrocinado pela petrobras.

os espetáculos, desde os sertões, tem uma multidão na equipe – por volta de 60 pessoas.

ainda não caiu a ficha d q o trabalho é muito caro e valioso. exige dedicação, e iríamos muito mais além se tivéssemos condições de pagar bem ao time q não só monta e atua nos espetáculos, mas está ligado no tudão, na manutenção do espaço, na concepção da expansão urbana, na continuidade do projeto de lina bo bardi e da linha estética da companhia, q existe desde 1958.

a petrobras tem sido muito importante pra cultura,  e é a cultura é q vai fazer a reciclagem da empresa, passando do petróleo, em fim d Éra, pra produção d Energías renováveis.

o patrocínio da petrobras é muito importante, aliás, fundamental – é uma base de investimento q sustenta a continuidade do trabalho, mantém o fogo aceso do núcleo da companhia, como aquelas chamas eternas das refinarias – é muito bonito ver de vários pontos da baía de guanabara aquelas torres piras da refinaria d duque de caxias.

mas, além disso, precisamos de plataformas, navios…

da petro vem o patrocínio d manutenção da companhia, que por 11 anos seguidos vem garantindo a continuidade do nosso trabalho – é o q nos permite não parar.

mas não é suficiente para manter a companhia o ano todo + a montagem de um espetáculo inédito + manutenção do melhor teatro do mundo segundo o jornal The Guardian. 

untitled

além do prédio do teatro oficina, q é de propriedade do estado de são paulo, mas tem todas as despesas – água, luz, limpeza, reparos – inteiramente mantidas por nós, posseiros, a cia mantém a casa de produção, um depósito de objetos de cena na rua são domingos, um acervo de figurinos na rua major diogo, e um depósito no sacolão, embaixo do minhocão, para grandes objetos.

além da montagem dos espetáculos, existe uma despesa mensal para esse acervo e para o time q realiza esse trabalho.

isso sem falar na necessidade de treino dos atores e cyberartistas, nos trabalhos diários de música, dança, tecnologias, estudos…

recebemos em 2015 R$ 1.000.000,00 do nosso patrocínio de manutenção da petrobras, o q é muito dinheiro, mas imaginem quanto custa idealmente um ano de trabalho:

equipe: R$ 2.160.000,00 

60 artistas x  12 meses x RS3.000,00 (um valor médio mínimo q possibilitaria dedicação exclusiva)

manutenção dos espaços: R$ 360.000,00

R$30.000,00 x 12 meses (aluguéis d depósitos + contas de água, luz, telefones, internet, funcionários de limpeza e zeladoria, etc…)

produção da montagem de espetáculo inédito: R$ 200.000,00

(gastos com arquitetura cênica, figurinos, material gráfico, montagem e equipamentos de luz e vídeo, gastos com lâmpadas de refletores e dos projetores audiovisuais, manutenção de microfones sem fio – q são muitos pois o elenco é gigante…, investimento em mídia paga…)

estes três itens somados dão R$ 2.720.000,00

e não contamos viagens com os espetáculos (as quais exigem adaptação de espaços, locação de equipamentos e transporte, alimentação e hospedagem pra 60 pessoas), nem gastos com a produção de espetáculos do repertório…

por tudo isso, precisamos de outros patrocinadores como a petrobras e de investimento direto, como as instituições de arte do mundo inteiro recebem apoios inumeráveis de mecenas generosos, q pagam pela existência daquele valor cultural.

sampã, 13 d fevereiro,

camila cacilda mota + TyZÉRias

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: