arquivo

Copa de Cultura 2014

iÓ! Amado Juca,

“Uma única luta – a luta pelo caminho. Dividamos: Poesia de importação. E a Poesia Pau-Brasil, de exportação.” – Oswald de Andrade, no Manifesto Pau Brasil.

Estou te enviando este link, sobre a 1ª réplica do Globe Theatre de Shakespeare fora de Londres, a ser construída até a Copa de 2014, em Minas Gerais: http://artebrasilproducao.com.br/gandarela#.UPBBLLakBXI

Você já deve estar sabendo, mas eu ainda não estava. Percebi então como é fácil importar Cultura já instituída.

Não tenho a pretensão de me comparar ao Bardo – mas sei que o Brasil vem em sua história produzindo uma Cultura de Exportação, há muitos anos.

Veio à tona, urbana, em 1922, com o Modernismo; em 1928 com o Manifesto Antropófago de O.A e nos anos 60 com a Tropicália: não somente na Música, mas nas Artes Plásticas, no Teat(r)o Oficina, com a montagem de “O Rei da Vela”, que plugou através de Oswald toda nossa geração, no Cinema Novo, sobretudo de Glauber e na Atitude Transversal na Cultura que fez emergir a Arte Popular Brasileira sepultando as classificações erudito X popular.

A Tropicália continua sendo um dos mais fortes movimentos culturais no mundo e revelou que, como previa Oswald, o Brasil não precisa babar ovo pra Cultura da Colonização, por mais brilhante que seja, pois já tem uma Cultura de Exportação.

Só não sabe disso – ou se sabe, finge ignorar – a pequena e a alta burguesia colonialista, pois é mais fácil ter o $ importando que gastando com a Cultura Original Brazyleira de Exportação.

O Oficina, desde O Rei da Vela vem criando um Teat(r)o como não existe igual no mundo. Quando fomos pro exterior, por exemplo em Berlim, com Os Sertões, em 2005, fomos recebidos escandalosamente bem pelo Público acostumado com um Teatro Careta que não consegue nem mais montar por ex. Shakespeare, como acontecia até os anos 60. E fomos escolhidos o Melhor Evento Cultural daquele ano na cidade: “Por duas semanas o Teatro Oficina de São Paulo transformou o Volksbühne em sambódromo e os espectadores em co-dançarinos. Uma festa de encher os sentidos, desmedida, altamente política, dionísiaca e carnavalesca. Há tempos não vivenciei teatro de maneira tão intensa, tão à flor da pele”, Gerd Hartmann, na Revista Zitty.

A Partir de Lina Bardi ter vindo trabalhar conosco em 1970 fomos progressivamente realizando uma Arquitetura e projetando um Urbanismo para o Espaço transversal da produção da Associação de Artistas Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona que vem criando desde então um espaço cênico tão original quanto o Globe Theatre: um Teat(r)o Pé na Estrada = teat(r)o rua, como dizia Lina.

A Pista do Oficina, como Lina sonhou, é hoje, depois do Tombamento pelo IPHAN feito em sua gestão no MINC, a Rua Lina Bardi, que atravessa os dois Arcos Romanos, quebrando o Beco sem Saída, depois de mais de 30 anos de luta com o Grupo Silvio Santos, e agora espraia-se num Delta de ruas de todo quarteirão do Bixiga.

Hoje estamos ocupando todo este Espaço.

Lá já realizamos as Dionizíacas de 2010, patrocinadas pelo MINC numa tenda para 2.000 lugares; A Macumba Antropófaga 2011, que semeou com o público, nos escombros do quarteirão derrubado pelo Grupo SS, sementes de girassóis que nasceram pouco depois. Agora está nascendo abóbora.

Bacantes nas Dionisíacas em Sampã, dezembro de 2010

Bacantes nas Dionisíacas em Sampã, dezembro de 2010

Girassol nascido nos escombros das construções derrubadas

Girassol nascido nos escombros das construções derrubadas

Abóboras para 2013

Abóboras para 2013

Encenamos a Macumba Antropófaga 2012 num Circo levantado por nós, cirandando antes pelo Bairro do Bixiga: TBC, Casa de Dona Yayá, Apê onde morou Oswald de Andrade e escreveu Sob as Ordens de Mamãe ou um Homem Sem Profissão, pela rua dos Craqueiros, retornando ao Quarteirão Tombado pelo IPHAN por uma Alameda Pomar, o início da Oficina de Florestas.

O mesmo aconteceu com Acordes, no segundo semestre de 2012, antropofagiado de Brecht.

infinito_estratoporto

Neste ano de 2013, até 2014, já caminhamos pra a Copa de Cultura 2014. Imagino ser um Evento Nacional e Internacional, mas com a participação das Culturas de Artes Cênicas dos BRICS.

A Cultura destes países tem uma tradição de vínculo com as Artes Populares que é bem mais contagiante que o Teatro que se faz na Europa ou EEUU. Os BRICS estão muito mais próximos do Oficina Uzyna Uzona.

A Mesma coisa com as Culturas do Brasil popular de hoje, que não cabem no Palco Italiano. Participariam também desta Copa.

Se Minas importa temos de convencer os Investidores da Cidade mais rica do Brasil a criar este Espaço mais original que o Globe Theatre, nascido da Cultura Mestiça Brazyleira Cyber-Tecnizada como diriam Oswald e Glauber.

Estou de repouso de guerreiro na Praia de Carneiros (PE). Volto em Sampa dia 30, pronto pra guerra de novo – essa a mais difícil da nossa história neste ano de Crise y Austeridade, aqui pelo Brasil também.

Mas tenho a certeza que encontraremos a saída.

Amante

Projeto do Escritório de Arquitetura JBMC para o Anhangabaú da Feliz Cidade

Projeto do Escritório de Arquitetura JBMC para o Anhangabaú da Feliz Cidade

A repórter não quis publicar esta matéria que me pediu , sobre a “Foto de Minha Vida”. Queria uma foto do passado, para uma matéria dramática, de palco italiano, novela plena de auto-piedade e nostalgia açucarada.
Lutei 30 anos e vejo esta imagem, que vi em 2010, mas vem sendo desejada por mais da metade de minha vida, agora, ocupando o terreno  que Silvio Santos nos emprestou com a “Macumba Antopófaga 2012” para aguardar a troca com a União.
Segundo Ana de Hollanda já tem um Terreno da União em Vista.
Precisamos desta troca urgente, para  erguer a Tempo o que se vê nesta Imagem: O Teatro de Estádio Oswald de Andrade.
O que isso pode trazer para a Cidade, não  importa a revista VEJA. Não pode ser “a foto da minha vida”, pois nem é uma foto, é uma  Imagem da maquete Eletrônica.
A Sofística da revista contagia as repórteres, e esconde com este Título de Novela de Rádio dos anos 30 o que está acontecendo ou quer acontecer em SamPÃ.

IÓ! QUERIDA CLAUDIA
ESTA FOTO TIRADA
DA MAQUETTE ELETRÔNICA DO  TEATRO DE ESTÁDIO OSWALD DE ANDRADE
NO DIA 1 DE MARÇO DE 2010
DESTE ESPAÇO LINDO PARA MULTIDÕES  E VISÍVEL DA RUA

O OFICINA UZYNA UZONA VAI  REALIZAR  NELE
A COPA DA CULTURA DE 2014
COM A PEÇA ESCRITA PARA ESTE TIPO DE ESPAÇO EM 1934 POR OSWALD DE ANDRADE

“O HOMEM E O CAVALO’

DURANTE 30 ANOS LUTAMOS COM O GRUPO SS PARA TER O ESPAÇO DO NOSSO ENTORNO ESTE FOI TOMBADO FINALMENTE PELO IPHA DIA 24 DE JUNHO DE 2010

DIANTE DO TOMBAMENTO E DEPOIS DO GOLPE ECONOMICO QUE RECEBEU SEU GRUPO, SILVIO SANTOS,

NO FIM DAS “DIONIZÍACAS  2010” PROCUREI SILVIO SANTOS
TINHAMOS  PERCORRIDO  NOVE CAPITAIS DO BRASIL
NUMA TENDA DE 2.000 COLOCADAS GERALMENTE EM  BAIRROS POPULARES  COM LUGARES GRATUITOS
PARA VEREM O TEATRO TOAL MULTIMIDIA DO OFICINA UZYNA UZONA , COM MUSICA AO VIVO
ENSAIANDO O TEAT(r)O DE ESTÁDIO  COM AS PEÇAS
“TANIKO”UM NÔ BOSSA NOVA TRAN ZEN IKO”
“ESTRÊLA BRAZYLEIRA A VAGAR CACILDA !!”
“O BANQUETE ” DE SOCRATES PLATÃO
“BACANTES” DE EURIPEDES

CHEGAMOS NO FIM DO ANO EM SAMPÃ PARA FAZERMOS AS “DIONIZÍACAS ”
SERIA NO TEAT(r)O OFICINA DE 400 LUGARES
MAS LIGUEI PARA A CASA DE SILVIO SANTOS
ELE MESMO ME ATENDEU
ESTA CENA ESTÁ ATÉ NO FILME “EVOÉ”REALIZADO POR TADEU JUNGLE E ELAINE CEZAR

PEDI EMPRESTADO O TERRENO DISPUTADO POR NÓS POR 30 ANOS
Á SILVIO SANTOS
Q CEDEU!!!

FICAMOS AMIGOS
FUI ATÉ A CASA DELE
E DESDE ENTÃO ESTAMOS OCUPANDO O ENORME TERRENO DE NOSSO ENTORNO
ESTAMOS FAZENDO UMA “MACUMBA ANTROPÓFOFA 2012″
MACUMBA MESMO
PRA QUE?
PRA GANHAR DEFINITIVAMENTE ESTE TERRENO E CONSTRUIR O Q SE VÊ NA FOTO

SILVIO SANTOS QUER TROCAR TODO SEU TERRENO
POR OUTRO DO MESMO VALOR COM OS PODERES PUBLICOS E PRIVADOS

ANA DE HOLLANDA MINISTRA DA CULTURA, JÁ VISLUMBROU UM TERRENO DA UNIÃO NO BRAZ

ESTA TROCA TEM DE SER FEITA ESTE ANO
SENÃO NÃO TEREMOS TEMPOS DE ERGUER O ESTADIO DURANTE PARA A COPA DA CULTURA DE 2014

OS ORÇAMENTOS ESTÃO TODOS APONTADOS PARA 2013
OU PARA A CAMPANHA DAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

MAS HÁ DISPOSIÇÃO DO MINISTÉRIO DA CULTURA E DO IPHAN DE REALIZAREM A TROCA ESTE ANO POIS NÃO ENVOLVE DINHEIRO PUBLICO
MAS TERRAS

POR ISSO MINHA NESTE EXATO MOMENTO  DE ANO NOVO NO HEMISFÉRIO SUL
MINHA PAIXÃO É ESTA  FOTO

É NA REALIDADE UMA PARTE DE UM PROJETO MAIOR QUE ENVOLVE A CONSTRUÇÃO DE UM” UNIVERSIDADE ANTROPÓFAGA”
UMA ‘OFICINA DE FLORESTAS”
E SOBRETUDO O RENASCIMENTO DO BAIRRO DO BIXIGA COMO UMA LAPA DE SAMPÃ:
ONOME DO COMPLEXO CULTURAL FOI DADO POR UM SAMBA DE ZÉ MIGUEL WISNIK
“O ANHANGABAÚ DA FELIZA CIDADE”

OS ARQUITETOS JOÃO BATISTA MARTINEZ CORRÊA E BEATRIZ PIMENTA CORRÊA CRIRAM O PROJETO DEPOIS DE UM PROGRAMA QUE ME FOI PEDIDO PELO ARQUITETO

MARCELO FERRAZ ENTÃO CONTRATADO PELO GRUPO SILVIO SANTOS PARA TENTAR UMA CONCILIAÇÃO ENTRE O SHOPPING QUE O GRUPO SS QUERIA LEVANTAR E O TEAT(r )RO OFICINA

MAS EU DESCORDEI COMPLETAMENTE DO QUE MOSTRADO DEPOIS D’EU TER APRESENTADO O MEU PROGRAMA
ENTÃO PEDI PARA JOÃO BATISTA MEU IRMÃO ,LER MEU PROGRAMA E CRIAR UM PROJETO IMAGINÁRIO PARA PUBLICARMOS NUMA EDIÇÃO BILINGUE

MAS FICOU TÃO MARAVILHOSO O PROJETO QUE DECIDÍMOS ESCOLHE-LO COMO NOSSA BANDEIRA
JOÃO BATISTA É NADA MAIS NADA MENOS, O AUTOR DAQUELE MARAVILHOSO ELEVADOR Q LIGA O IPANEMA AO MORRO DO CANTA GALO NO RIO DE JANEIRO
PREMIO ESTE ANO DA ASSOCIAÇÃO  DE CRITICOS DEARQUITETURA DA APCT

PRA MIM SIGNIFICA SOBRETUDO A VALORIZAÇÃO DESTA ATIVIDADE TÃO DESPREZADA: O TEATRO
RELEGADO HOJE AOS SHOPPINGS OU AOS BURACOS DOS GRUPOS DE VANGUARDA

DESEJAMOS, SONHAMOS, AMAMOS UM PODEROSO ESPAÇO PARA MILHARES DE PESSOAS QUE SEJA A EPIFANÍA DA CULTURA
HOJE FORA DAS PAUTAS DOS PARTIDOS POLITICOS

MAS COM O ADVENTO DA ECONOMIA VERDE
TORNOU-SE A CULTURA
INFRA ESTRUTURA DA VIDA
O CUIDADO COM NOSSAS CELULAS DESEJOSAS VIVAS

E A CRISE MUNDIAL DESMONTA TODO UM UNIVERSO BASEADO NA INFRA ESTRUTURA DA MACRO ECONOMÍA ,DA ESPECULAÇÃO ,DA INDUSTRIA DE ARMAMENTOS E DA ENERGIA ATÔMICA

O TEATRO DE ESTÁDIO É O PODER HUMANO RECONQUISTADO

PARA ESTA ARTE  Q REUNE A TRIBO DE BICHOS HUMANOS EM TORNO DE SUAS PAIXÕES, SONHOS

É O FUTEBOL DAS PAIXÕES HUMANA QUE RETORNA COMO NO MOMENTO DE MAIOR PODER DESTA ARTE

A TRAGÉDIA GREGA

O PERFUME É PERMANENTE

ESTÁ MAIS DO Q NUNCA NO AR

PORQUE É O DE UM SONHO

QUE VAI SER MATERIALIZADO PELA HUMANIDADE

JOSE CELSO MARTINEZ CORRÊA

AMOR HUMOR VERTIGEM E MUITO MAIS