arquivo

teatro oficina

teatro municipal isolado_congelacultura_malu avelar

descongela cultura já |Teatro Municipal isolado pelo cordão d chumbo das cabeças fechadas | foto Malu Avelar

“A PRAÇA É DO POVO

COMO O CÉU É DO CONDOR”

CASTRO ALVES

 

Nas Vésperas da Festa de meu aniversário de 80 anos, dos quais quase 60 foram dedicados à Liberdade da Cultura, não posso deixar de lamentar a atitude de André Sturm, Secretário de Cultura da Cidade de São Paulo, q na tarde d 27  de março  consentiu em mandar bloquear as Escadarias do Teatro Municipal e fechar sua Secretaria, para não receber os Artistas de Teatro, Cinema, Dança, Circo  do Movimento da Frente Única da Cultura SP, pedindo o Descongelamento de quase 50% da verba da Secretaria Municipal de Cultura.

Eu o considerava até então uma Amada, Ótima Pessoa na gestão Cultural do Estado, seja na Sec Cultura, no MIS, no Cine Belas Artes  e principalmente por ter se reunído antes com Artistas deste Movimento  e ter prometido lutar contra o Congelamento. Dias antes saiu dizendo q os Artistas tinham de aprender a não mamar no Estado. É incrível! Ele q  há muitos anos recebe salários do Estado e agora da Prefeitura.

E Hoje ainda declarou q o Movimento não tinha programa e aprontou um Carnaval. O preconceito atual quanto ao Carnaval já me deixa arrepiado y quanto a falta de programa, não sei de onde tirou isso. Os Artistas se manifestavam a favor dos q tinham seus programas aprovados na gestão de Fernando Haddad. Nem na Ditadura Militar se viu gesto semelhante. É Muito Grave, Espero q André reconsidere sua posição atual y retorne à solidariedade q sempre manifestou com seus iguais: Artistas Cultivadores da Cultura na Pão Dure$a da Capital do Capital. Neste momento em q  a democracia tem sofrido muitos golpes, essas atitudes pedem uma Retratação y um Encontro seu imediato com este Movimento.

Zé Celso,
28 d março d 2017

17632161_596707063872537_4575217917465625287_o

17434638_596707210539189_1545193907533441110_o

17436055_596704780539432_5232052712437204259_o

17622047_596708780539032_7732579188482489051_o

teatro-de-epidauro

 

TEATRO: Theos = deus (Dionisios) – Atrio = Cura

AS Pessoas iam ao Teatro d Epidauro, localizado no mesmo Território do Grande Hospital d Hypocrates, pro encontro com Dionisios, o deus da Cura, isto é, o deus do Teatro.

Hoje no Brasíl este é um Rito de Cura neste Período Obscuro Repressivo em q vivemos, é chegar à AGORA com o clamor telúrico desejado pelo Poeta de “A MORTA” d OSWALD D ANDRADE, q montemos juntamente com “O Rei da Vela” em 2017

 

bacantes estracalhamento de penteu

 

iÓ! Amantes Amadas y Amados

segue aquí

a Versão Original, antiga d 1996 d Bacantes

e a última versão d 2012 para Europália  

pra Festejarmos

a Origem da Tragédia

no Espírito da MÚSICA

num Primeiro esquentamento d Bacantes  

 

bacantes marcelo dionisios

dia 11 de A!Gósto d 2016,

no Teat(r)o Oficina

justamente:

dia do aniversário d MARCELO

DYONISIOS DRUMMOND

y do PARTO DO RITO DE BACO

há 21 anos nas “Amplas Ruas do BRASÍL…”

 

bacantes antiga

vamos festejar este duplo Aniversário

21 anos d Bacantes

nascida no mesmo dia 11 d AhGósto de 1995

no Teatro Grego de

Ribeirão Preto pra 4.000 pessoas

Vamos xamar os Cantos d Baco pra começar a esquentar

o Rito d Origem do Teatro

y do etherno Dionisios M.D.

 

Ze-Celso-em-BACANTES-Foto-Renato-Mangolin

IÓ!  em grego é VÊM!!!!!!!!!

TIRÍAS

EVOÉÉEEEEEEEEE

MERDRA

A TERRA ESTÁ A PERIGO  Dia 5 d Julho d 2016

No Congresso

o Bando de Deputados

Entreguistas da Bancada

da Bíblia/Boi/Bala Bo$ta Mental

vota em

BRAZÍLHA

a proposta do Chanceler ilegítimo Jose Serra q propõe a

ENTREGA DO SANGUE NEGRO DA

TERRA DO BRAZÍL

AOS ABUTRE$$$

Minha Geração, quase a mesma do Serra

nasceu Politicamente  

na Campanha

“O PETRÓLEO É NOSSO”

provocada pelo Livro d

MONTEIRO LOBATO

pra Nacionalização d sua Exploração

pelo Estado Brasileiro

y daí veio

a CRIAÇÃO DA PETROBRAS

 

Getúlio Vargas - 1882-1954

Getúlio Vargas – 1882-1954

 

Hoje indo pros meus 80 anos sei q

O PRÉ ÓLEO NÃO É NOSSO

MAS

DO CORPO VIVO DA

TERRA

LOGO

O PRÉ SAL  É

DA  TERRA

NUNCA DA

PROPRIEDADE

PRIVADA

PRA EXPLORAÇÃO DOS ABUTRE$$$ PROPRIETÁRIO$ GLOBAI$ OU NACIONAI$

 

OS PETROLEIROS MOVIMENTAM-SE CONTRA ESTA LEI ENTREGUISTA

 

petroleiros_contra_o_golpe

 

NO FIM DA

ERA DO PETRÓLEO

A HUMANIDADE

PREPARA-SE PRA

TRAVESSÍA    

PRA

ERA DAS ENERGÍAS

RENOVÁVEIS

Y

PRA NÃO ENTREGAR TUDO PROS

VENDILHÕE$

APOIO A LUTA DOS PETROLEIROS

POR UMA QUESTÃO DE

REAL POLITICK:

A RENDA DO PRÉSAL

SERIA INVESTIDA PELO

GOVERNO ELEITO

NA CULTURA,

NA EDUCAÇÃO,

NA SAÚDE

DOS POVOS Q MORAM NESTE PEDAÇO

DO MUNDO

CONDIÇÃO PARA Q SE

FAÇA TAMBÉM AQUÍ

NO BRASIL
A TRANSIÇÃO

DA ERA MUNDIAL DO PETRÓLEO

PRA ERA DAS ENERGÍAS

RENOVÁVEIS DA TERRA

DO UNIVERSO DIVERSO

 

yanomami-maloca

maloca yanomami

DÓI NO CORAÇÃO DE

MINHA JUVENTUDE

VIVA EM MIM

NA MINHA VELHICE

MAS BOTO FÉ

NA INSSUREIÇÃO MUNDIAL

CONSCIENTE

OU NO INCONSCIENTE DO Q ESTÁ VIVO
IMPEDINDO A

“QUEDA DO CÉU”

Q O XAMÃ

DAVID KOPENAWA

EM SUA OBRA PRIMA
CONSTRUÍDA PELOS POVOS INDÍGENAS ANTES DE CABRAL

AVÍSA

ZÉ CELSO

4 DE JULHO D 2016

SAMPÃ

 

é o ano novo no sul hemisfério, 

a noite mais longa do novo império!

deus irmão de joão, luíz

nos protege agora e depois

de todo mal do bem

desse mundo, pois

nesse solstício, sóis!

nesse solstício, sóis!

 

Captura de Tela 2016-06-30 às 10.42.17

O LANÇAMENTO

um novo tempo de re-existência da cultura e da arte, a transição para uma nova era

24 de junho de 2016,

fogueira de São João,

lançamento da plataforma de financiamento direto,

permanente, da Associação Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona.

Com o lançamento do site www.teatroficina.org, a partir desse dia de São João, a Companhia entra em nova era – a experiência de uma cultura econômica que possibilite a grandiosidade do trabalho incentivado diretamente por seu público, pelo coro da multidão presente nas peças, nas transmissões virtuais, por todas as pessoas que admiram a obra de arte Teat(r)o Oficina. A plataforma é importante para as demandas do presente, mas principalmente para a urgência das transformações do agora: a transição desejada para uma nova era, onde a Companhia possa ser financiada inteiramente por esta nova modalidade – a contribuição coletiva direta. Desejamos obter a valoração econômica plena, capaz de manter aceso o fogo de todo trabalho transdisciplinar realizado.

“No dia 24 de junho, dia de São João, quando se comemora o ano novo no hemisfério sul, nós lançamos uma ferramenta de financiamento digital do Teat(r)o Oficina, com o objetivo de conquistar a independência de criação e potencializar os trabalhos e pesquisas da companhia que existe e se transforma desde 1958. Nós temos demandas pragmáticas, de custos de manutenção do espaço que precisam de aportes imediatos, mas nossa maior ambição é, através dessa ação coletiva de financiamento direto, conseguir que o trabalho da companhia, feito por um corpo de artistas numeroso – que realiza a montagem dos espetáculos, as ações da arquitetura e urbanismo cênico em direção à continuidade da obra de Lina Bardi e Edson Elito, as pesquisas audiovisuais e de comunicação urbana, nosso grande desejo é que tudo isso possa existir em plena potência através dessa ferramenta. O trabalho é caro, pois um projeto de vida como esse exige dedicação exclusiva dos artistas, para que o teatro, uma arte que precisa de muita liberdade, seja de fato um espaço de encontro e criação de novas narrativas. Por isso desejamos que nossa ação não seja isolada, que se conecte com outras companhias em direção aos aportes diretos pra criação de uma nova era.”  Camila Mota, atriz da Companhia e do Núcleo de estrategistas do Teat(r)o Oficina

 

SEJA UM CO-PRODUTOR

Tivemos muitas dúvidas em como chamar a plataforma e os colaboradores:

amigos do Oficina,

sócios do Oficina,

clube do Oficina…

Optamos pelo reconhecimento de todas as pessoas que desejarem nos apoiar como verdadeiros co-produtores, em diálogo direto com essa nova dinâmica de financiamento, como fogo de potências que desejam, junto conosco, re-existir frente aos desmontes sofridos pela cultura e aos processos de captura da arte pelo grande capital financeiro. Junto com a Companhia, os co-produtores/as são todas e todos que desejam ser força de contracenação com as novas formas de pensar, experimentar e fazer Teatro/ outras artes no Brasil.

Desejamos obter a valoração econômica plena, capaz de manter aceso o fogo de todo trabalho transdisciplinar realizado.

 

DAS DOAÇÕES

como colaborar

As doações podem ser únicas ou mensais – em planos de um ano – com o cartão de crédito. Os apoiadores dessa Uzyna se tornam, no ato da doação,  co-produtores do trabalho da Companhia: com a possibilidade de ter os nomes divulgados na plataforma, como mecenas reconhecidos; ou manter o anonimato das doações.

Doações de todos os valores, do máximo ao mínimo, são imprescindíveis para a continuidade do trabalho em plena potência.

 

touro sangue 5

TEAT(R)O OFICINA UZYNA UZONA

Fundada em 1958, a Companhia Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona mistura em seus ritos teat(r)ais música, artes plásticas, vídeo, cinema, arquitetura, urbanismo, dança, em processos de co-criação entre artistas.  

A BIGORNA, lugar onde se forja o ferro e o corpo, onde se transforma e interpreta a vida, é símbolo da companhia desde sua fundação – uma bigorna de ferro foi colocada por Lina Bo Bardi na fachada do edifício, na cabeça.

O Teat(r)o Oficina, nas muitas décadas de existência, consolidou-se como um lugar de produção de arte e conhecimento. A valoração econômica, através do financiamento direto nessa plataforma, é fundamental para a continuidade dos trabalhos e para a manutenção de seu acervo e do edifício, obra de arte tombada pelo COMPRESP, CONDEPHAAT e IPHAN.

Desde o início do ano conseguimos manter o teatro aberto em quase todas as semanas, com apresentações do repertório, shows e atos da arte cosmopolítica.

Em nosso plano de ação, existem projetos para patrocínios via isenção fiscal, enviados para empresas e pessoas físicas, e projetos de apresentações de espetáculos do repertório, para recebimento de cachês.

Essas possibilidades ainda não se concretizaram.

 

CRISE E INSURREIÇÃO

a ressignificação das formas de manutenção da Companhia

Os períodos de crise, férteis em imaginação, se tornam áridos para manutenção das obras tombadas: o PRÉDIO, terreiro eletrônico projetado por Lina Bo Bardi e Edson Elito e o TRABALHO DA COMPANHIA, tombado imaterialmente: processos de montagem e ensaios em permanente transformação a partir do tempo presente, mas seguindo um fio que atravessa décadas – a transformação de espetáculos e dramaturgias em ritos. E a aridez da “crise” impõe uma instabilidade do corpo criador que dificulta, justamente, a criação dos ritos; impede a radicalidade dos ensaios, a liberdade do artista em se lançar num abismo em cada montagem.

Por isso, chamamos, cantando pelos 4 cantos:  

venham mecenas, desejamos muito vocês!

No site, estão divulgados o custo anual da Companhia e a participação do Patrocínio da Petrobrás na composição do orçamento, bem como a descrição do projeto que será realizado com a verba dessa riqueza, que é o petróleo, em 2016.

QUE VENHA O FINANCIAMENTO DIRETO !

Recursos renováveis no dia a dia da eletricidade provocada pelos encontros ao vivo da cena, na força dos choques e das catarses, praticadas com tanta generosidade nos teatros.

 

novo dia, nova sociedade                                                                                                          

nova maneira de pensar

o mundo é novo

o mundo é novo

é novo                                                                        

é novo

é um ovo

________________________________________________________

CONTATO

comunicacao@teatroficina.com.br

(11) 3106-5300 – casa de produção