arquivo

Tyazo

é o ano novo no sul hemisfério, 

a noite mais longa do novo império!

deus irmão de joão, luíz

nos protege agora e depois

de todo mal do bem

desse mundo, pois

nesse solstício, sóis!

nesse solstício, sóis!

 

Captura de Tela 2016-06-30 às 10.42.17

O LANÇAMENTO

um novo tempo de re-existência da cultura e da arte, a transição para uma nova era

24 de junho de 2016,

fogueira de São João,

lançamento da plataforma de financiamento direto,

permanente, da Associação Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona.

Com o lançamento do site www.teatroficina.org, a partir desse dia de São João, a Companhia entra em nova era – a experiência de uma cultura econômica que possibilite a grandiosidade do trabalho incentivado diretamente por seu público, pelo coro da multidão presente nas peças, nas transmissões virtuais, por todas as pessoas que admiram a obra de arte Teat(r)o Oficina. A plataforma é importante para as demandas do presente, mas principalmente para a urgência das transformações do agora: a transição desejada para uma nova era, onde a Companhia possa ser financiada inteiramente por esta nova modalidade – a contribuição coletiva direta. Desejamos obter a valoração econômica plena, capaz de manter aceso o fogo de todo trabalho transdisciplinar realizado.

“No dia 24 de junho, dia de São João, quando se comemora o ano novo no hemisfério sul, nós lançamos uma ferramenta de financiamento digital do Teat(r)o Oficina, com o objetivo de conquistar a independência de criação e potencializar os trabalhos e pesquisas da companhia que existe e se transforma desde 1958. Nós temos demandas pragmáticas, de custos de manutenção do espaço que precisam de aportes imediatos, mas nossa maior ambição é, através dessa ação coletiva de financiamento direto, conseguir que o trabalho da companhia, feito por um corpo de artistas numeroso – que realiza a montagem dos espetáculos, as ações da arquitetura e urbanismo cênico em direção à continuidade da obra de Lina Bardi e Edson Elito, as pesquisas audiovisuais e de comunicação urbana, nosso grande desejo é que tudo isso possa existir em plena potência através dessa ferramenta. O trabalho é caro, pois um projeto de vida como esse exige dedicação exclusiva dos artistas, para que o teatro, uma arte que precisa de muita liberdade, seja de fato um espaço de encontro e criação de novas narrativas. Por isso desejamos que nossa ação não seja isolada, que se conecte com outras companhias em direção aos aportes diretos pra criação de uma nova era.”  Camila Mota, atriz da Companhia e do Núcleo de estrategistas do Teat(r)o Oficina

 

SEJA UM CO-PRODUTOR

Tivemos muitas dúvidas em como chamar a plataforma e os colaboradores:

amigos do Oficina,

sócios do Oficina,

clube do Oficina…

Optamos pelo reconhecimento de todas as pessoas que desejarem nos apoiar como verdadeiros co-produtores, em diálogo direto com essa nova dinâmica de financiamento, como fogo de potências que desejam, junto conosco, re-existir frente aos desmontes sofridos pela cultura e aos processos de captura da arte pelo grande capital financeiro. Junto com a Companhia, os co-produtores/as são todas e todos que desejam ser força de contracenação com as novas formas de pensar, experimentar e fazer Teatro/ outras artes no Brasil.

Desejamos obter a valoração econômica plena, capaz de manter aceso o fogo de todo trabalho transdisciplinar realizado.

 

DAS DOAÇÕES

como colaborar

As doações podem ser únicas ou mensais – em planos de um ano – com o cartão de crédito. Os apoiadores dessa Uzyna se tornam, no ato da doação,  co-produtores do trabalho da Companhia: com a possibilidade de ter os nomes divulgados na plataforma, como mecenas reconhecidos; ou manter o anonimato das doações.

Doações de todos os valores, do máximo ao mínimo, são imprescindíveis para a continuidade do trabalho em plena potência.

 

touro sangue 5

TEAT(R)O OFICINA UZYNA UZONA

Fundada em 1958, a Companhia Teat(r)o Oficina Uzyna Uzona mistura em seus ritos teat(r)ais música, artes plásticas, vídeo, cinema, arquitetura, urbanismo, dança, em processos de co-criação entre artistas.  

A BIGORNA, lugar onde se forja o ferro e o corpo, onde se transforma e interpreta a vida, é símbolo da companhia desde sua fundação – uma bigorna de ferro foi colocada por Lina Bo Bardi na fachada do edifício, na cabeça.

O Teat(r)o Oficina, nas muitas décadas de existência, consolidou-se como um lugar de produção de arte e conhecimento. A valoração econômica, através do financiamento direto nessa plataforma, é fundamental para a continuidade dos trabalhos e para a manutenção de seu acervo e do edifício, obra de arte tombada pelo COMPRESP, CONDEPHAAT e IPHAN.

Desde o início do ano conseguimos manter o teatro aberto em quase todas as semanas, com apresentações do repertório, shows e atos da arte cosmopolítica.

Em nosso plano de ação, existem projetos para patrocínios via isenção fiscal, enviados para empresas e pessoas físicas, e projetos de apresentações de espetáculos do repertório, para recebimento de cachês.

Essas possibilidades ainda não se concretizaram.

 

CRISE E INSURREIÇÃO

a ressignificação das formas de manutenção da Companhia

Os períodos de crise, férteis em imaginação, se tornam áridos para manutenção das obras tombadas: o PRÉDIO, terreiro eletrônico projetado por Lina Bo Bardi e Edson Elito e o TRABALHO DA COMPANHIA, tombado imaterialmente: processos de montagem e ensaios em permanente transformação a partir do tempo presente, mas seguindo um fio que atravessa décadas – a transformação de espetáculos e dramaturgias em ritos. E a aridez da “crise” impõe uma instabilidade do corpo criador que dificulta, justamente, a criação dos ritos; impede a radicalidade dos ensaios, a liberdade do artista em se lançar num abismo em cada montagem.

Por isso, chamamos, cantando pelos 4 cantos:  

venham mecenas, desejamos muito vocês!

No site, estão divulgados o custo anual da Companhia e a participação do Patrocínio da Petrobrás na composição do orçamento, bem como a descrição do projeto que será realizado com a verba dessa riqueza, que é o petróleo, em 2016.

QUE VENHA O FINANCIAMENTO DIRETO !

Recursos renováveis no dia a dia da eletricidade provocada pelos encontros ao vivo da cena, na força dos choques e das catarses, praticadas com tanta generosidade nos teatros.

 

novo dia, nova sociedade                                                                                                          

nova maneira de pensar

o mundo é novo

o mundo é novo

é novo                                                                        

é novo

é um ovo

________________________________________________________

CONTATO

comunicacao@teatroficina.com.br

(11) 3106-5300 – casa de produção

Anúncios
foto d'artaud

foto d’artaud

Afinal q o dia d’Ela Chegou

Odoyá Iemaniá

 

Estreia dia 31 no Teat(r)o Oficina

“pra dar um Fim no Juízo de deus” d’Artaud

 

No clima pós Guerra em Paris, ondas

da Rádio Nacional Francesa levavam

ao ar um programa d grande

audiência:

“A Voz dos Poetas”

Artaud saído d 9 anos d Hospício,

Grande Poeta, é convidado a dar sua

Voz ao Programa.

Vindas diretamente d seu Corpo,

escreve uma peça radiofônica q

grava à 4 Vozes:

Artaud, Maria Casares, Paule Tevin,

Roger Blin,+ Sonoplastas do Studio

Artaud estavam felizes d impregnar os

ares com a emissões das suas

enérgicas phalas, vindas de seus

Corpos.

Vozes fecundadas nas batalhas com

surrealistas,

na encenação de suas primeiras

peças,

na publicação d seus poemas,

nas epifanías d seus filmes,

nas viajens Xamânicas, em todas as

xamadas: drogas.

O Corpo d Artaud doía [por estar imerso

no mal estar da civilização ocidental].

Decide ir pro México, ao encontro dos

Índios Taraumaras

Mastiga o peyote dançado na Roda

dos Peidos dos Xamâns

Peidorrentos y tem a iluminação

“peido, logo existo”

No Rito vê a fraqueza dos Corpos

dos Colonizadores, sem Corpo, diante

da vitalidade dos Corpos Taraumaras.

Em Havana recebeu no Terreiro d

Santería

uma Espada d São Jorge Ogum

Guerreiro.

Retorna à Europa pela Irlanda

com o bastão y a poderosa Espada

Verde

botando fé q com ela, iria levantar o

povo Celta

para retomar sua vitalidade primitiva

como a dos Taraumaras

Mas é preso, deportado pra França,

y durante toda a 2ª Guerra Mundial,

passa 9 anos d Hospício à Hospício

passando por choques

elétricos, camisas d força, drogas pra

fazer desaparecer o corpo, fome da

escassez d alimentos na Guerra; mas

nunca deixou d inscrever o q sua

mente-corpo irradiava,

até ser posto em liberdade depois da

Paz:

um antropófago sem dentes…

entre seus muitos escritos gravados à

sangue,

(no seu cú talvez já jorrasse sangue

d’um câncer

q o impedia de cagar)

mesmo assim, estava vivo demais

y jorrava os líquidos d seus

sofrimentos

escrevendo espermeando, desejando

a Merda

Na sua Peça Radiofônica, faz

palavras, glossolalías se encontram

numa sumula d ser vivo, matéria

orgânica d toda sua experiência a ser

emitida aos ares, não somente a seus

contemporâneos mas pra nós q nem

tínhamos nascido.

Poema Peça Radiofônica – com tudo q

seu Corpo Marcado descobriu:

q por ser viva demais –  foi golpeada

com um impechment

pelos Juízes representantes crentes

do Juízo do Deus Único

da Verdade Única

Censores da Rádio Nacional Francesa

no dia 2 de fevereiro d 1948

(no Brasil, dia d Iemanjá).

Cortaram essa emissão,

foi o Golpe d Morte em Artaud

q piorando de suas dores q nem a

Morfina vencia

continuou escrevendo até vir a morrer

no dia 4 de março do mesmo ano d

1948.

Esta Peça, foi o sub texto pulsante

no Anti Édipo d Deleuze-Guatarí, q

explodiu clínicas y mais clínicas d

psiquiatria no mundo.

Essa emissão caiu de novo, agora,

nas mãos d Artistas do Teat(r)o

Oficina Uzyna Uzona, nestes dias em

q todos íamos percebendo os Golpes

do Juízo d deus, q já poluía o Brasil,

desde a vitória raspando d Dilma,

sobre Pentheu Aécio, q iniciou a

escalada dos Golpes tocado à veneno

dos ódio dos perdedores, q pediam

recontagem de votos. Depois foram as

“Pautas Bombas”, d’ um Congresso d

Gangsters Evangélicos.

O Clímax dos Golpes: foi a Co-

Produção Bíblica da Midiona, com

o Cardeal da Inquisição: Moro.

O Cortejo d Novela em seu novo

horário: 6h da manhã, estrelada

pelo vilão Lula, coagido a depor

de São Bernardo, atravessando

SamPã, a até o Aeroporto de

Congonhas.

Dia 18 a Manifestação da Paulista

despertou a Esquerda. A pessoa mais

eloquente do Brasil, d todos os

tempos, o Lula Paz Amor y Humor y

Muito Mais, estorou até a divisão entre

verdes y vermelhos.

Mas o Juízo d deus, no dia seguinte,

quando Moro já tinha proibido a

difusão dos grampos, levantou sua

proibição, “pelo bem da pátria

brasileira”, y escancarou seu Golpe no

Palácio da Alvorada: o Grampo

Telefônico no Palácio da Presidente

Dilma. Logo depois os Golpistas

tentaram invadir o Palácio.

Hoje o Impechment fervilha nos

Ajuizados d deus q não se entendem.

A Farsa do repeteco está no Poder 

“A sua Profecía vai fracassar,

y eu vou gragalhar qua qua qua”

Nós Estreamos “pra dar um Fim ao

Juízo d deus” d Artaud

dia 31 d Março no Oficina,

dia em q o Golpe d 1º de abril d 1964

estava parindo y nós não sabíamos d

nada.

Mas agora já sabemos.

Vivemos pelo menos há mais d um

ano neste escancaramento.

Não vai ter Golpe, porque já está

sendo dado, há algum tempo.

Minha Mar, é a dos Artistas y vou me

encontrar com elxs no dia d meu

aniversário, amanhã dia 30,

comemorando meus 79 anos

no Masp.

O “pra dar um Fim no Juízo d

deus”, manifesto carnal d Artaud,

nasce orgânico y cresce nesse

ambiente d Farsa como uma

trepadeira d maria sem vergonha.

Nesta noite no Oficina, a Peça

Radiofônica d Artaud, não vai mais ser

impixada -estará incarnada em corpos

vivos,

sem órgãos absorvendo y replicando

os acontecimentos vivíos em nossas

carnes.

Sinto talvez q todos os Corpos sejam

verdes, vermelhos, ou multicores,

e estão sofrendo no Brasil.

Fazendo esta peça revolucionária,

penso: vai surgir uma Frente Ampla d

pedaços d todos os partidos em

defesa da democracia?

Meu ser ZéArtaud, minha

Personagem, deseja

Mais q uma FRENTE,

uma RODA VIVA AMPLA 

d todas as Culturas Brazyleiras,

Ianomanis, Tupys Guaranys d todas

as Tribos, no movimento inevitável da

vida no Planeta Ser Vivo Terra, com

os Sem Teto, Sem Terra, Gays,

Lésbicas, Trans, Afro Descendestes,

Trabalhadores Inspirados, Mulheres

Livres, Hackers, Menores d 16 anos,

Favelados, Classe Média, alguns

Pirados dos 1% com suas Fortunas

distribuídas. Nessa Roda tiramos todo

s os rótulos y somos com os bichos,

águas, terras, seres vivos q juntos

vamos democratizar a democracia,

mudando democraticamente o

sistema, até atingirmos a Anarquía

Coroada y Tecnizada.

Esse lixo q cacareja o impeachment,

corruptores da própria Corrupção em

nome do JUIZO D deus, hoje sob o

comando d um Vampiro, ressucitado,

dando o desfecho á novela: será q o

Crime foi cometido pelo Mordomo?

Virão novos capítulos desta novela,

mas nós continuamos com a mesma

peça em cartaz.

Uma peça d Artaud, é um Corpo sem

Orgãos,quer dizer, como o mesmo

movimento d intuscepção d Terra q

renova-se livrando-se de seus

agentes adversos”

Zé Celso

MERDA

 

 

“Boa tarde!

Sou pauteiro do Jornal da Band e estou atrás do contato do Zé Celso. O ator Walmor Chagas faleceu na tarde desta sexta-feira e gostaríamos de repercutir a morte do ator amanhã (19) com o Zé Celso.

Vocês poderiam, por favor, me passar o contato do Zé?

Aguardo o seu retorno.

Obrigado,

Diego Costa.”


Ió! Diego, recebi a notícia do suicídio corajoso de Walmor aqui na “Praia dos Carneiros”, uma das muitas maravilhas de Pernambuco, nosso Repouso de Guerreiros, meu e do Ator Poeta da Arte Teatral: Roderick HimÉros.

Estamos preparando a Guerra pra ganhar 2013, estrategiando com nosso Poder Teat(r)al a peça: Cacilda!!! – Glória no TBC, 3ª das 4 peças que escrevi sobre a Arte Elétrica Quântica de Cacilda Becker, a partir de um prêmio que ganhei na gestão de Fernando Morais na Secretaria de Cultura da Cidade de SamPã em 1990. Este ato Trágico de Walmor atinge a peça em que estamos trabalhando, em cheio.

É sobre Cacilda, o TBC e… Walmor. Ele chega em Sampã e entra no TBC, dirigido por Ziembinski.

Conheci o poder deste gênio estóico pela primeira vem em “VOLPONE”, fazendo o MOSCA. Cacilda apaixonou-se de cara pelo sujeito transumano e pelo Ator, quando conheceu aquele menino, mais novo que ela, atuando em cima de um monte de Merda como uma Mosca Varejeira.

Em “Gata em Teto de Zinco Quente”, a personagem de Cacilda, Maggie, a Gata, não consegue trepar com ele, ele é gay, vive na cama do casal, enchendo a cara, não quer nada com ela. Walmor-Brik está atormentado pelo suicídio do seu Amante Skipper. E está ferido na perna esquerda, sem poder locomover-se direito. Na peça e na vida: Cacilda acaba ganhando por 12 anos Walmor Brick como marido, e seu maior parceiro Teatral.

Abandona o conforto do TBC e funda a Cia. com Walmor: o TCB (Teatro Cacilda Becker). Cara!, a peça agora podia se chamar Cacilda!!! – Walmor!!!

Cacilda teve um aneurisma no 2º ato de “Esperando Godot”. Walmor assistiu e viveu os 39 dias de coma da Atriz-Matriz e depois com permissão da família dela desligou os aparelhos que a mantinham com vida vegetativa e ele … suicidou-se pra não ser peso, nem pra ele, nem pra ninguém.

É uma Tragédia completa de Teat(r)o.

Uma TRAGYKOMÉDIORGYA.

Walmor e Cacilda: os maiores Ator e Atriz que o Brasil já fabricou!

Vai mudar muito a peça que escrevi em 1990.
Já encenei duas, da Tetralogia: na 1ª, Cacilda! (uma Exclamação) Walmor já entrou, vivido por Marcelo Drummond. Montei a segunda, também Cacilda!!(duas Exclamações), quando ela é uma Estrela a Vagar pelo Rio de Janeiro. Dou o ano de 2013 pra Cacilda!!! (três Exclamações) e este acontecimento com Walmor vira do avesso esta peça.

Em 2015, se estiver vivo, monto Cacilda!!!! (quatro Exclamações).

Cacilda Estragon e Wladimir Walmor, em Esperando Godot

Cacilda Estragon e Wladimir Walmor, em Esperando Godot

Agora é claro: pela atitude de Walmor, diante da vida toda, tudo que fez, Walmor e Cacilda equivalem-se, são ambos protagonistas. Marcelo Drummond vai viver este Protagonista este ano, da peça que será montada:

– no Teat(r)o Oficina

– em seu Entorno tombado pelo IPHAN em 2010, que já estamos ocupando: Um quarteirão Inteiro do Bixiga e

– no TBC em obras.

Soubemos da notícia por Felipe, o dono da Pousada que nos chamou pra ver em seu quarto uma entrevista dele com 80 anos, que a Globo News pôs imediatamente no ar. Nela Walmor, o entrevistado, contagiou a entrevistadora e vi uma das mais belas entrevistas teatrais de minha vida. Tente ver, é deslumbrante. Walmor nela afirma emocionado o Valor Incomensurável do Teatro, atuando, contando do aneurisma de Cacilda no 2º Ato de “Esperando Godot”, como nunca havia contado.

ENFIM, TENHO MUITO Q DIZER SOBRE WALMOR, MITO DE “CACILDA!!! – GLÓRIA NO TBC”, ONDE A ATRIZ DAS ATRIZES ENCONTRA UM JOGADOR COM A POTÊNCIA DE SEU JOGO.

Os dois nesta peça abrem espaço para a complementação de Lina Bardi de seu Projeto Urbano pro Oficina, o renascimento do BIXIGA.

A Bandeirantes foi onde Cacilda mais trabalhou no tempo do Video Cassete. Tem de entrar nesta Aventura. Eu SOU APAIXONADO POR TODA MINHA VIDA PELA DUPLA – ESTE SUICÍDIO BATEU EM MIM FORTE.

MERDA

NOTA NUM SITE:

O poeta e performer Ericson Pires, 40, morreu na madrugada deste sábado (17), em decorrência de complicações de uma pancreatite aguda.

Ericson estava internado no hospital Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro. O corpo será enterrado às 15h, no cemitério do Catumbi (zona norte do Rio).

Um dos fundadores do CEP 20.000, ao lado de Guilherme Zarvos e Ricardo Chacal, Ericson era graduado em História e mestre em Literatura Brasileira. Também fundou o grupo de ação HAPAX e do Coletivo RRRadial.

É autor dos livros “Cinema de Garganta” (Azougue editorial), “Zé Celso Oficina-Uzyna de Corpos” (Editora Annablume) e “Cidade Ocupada” (Aeroplano)

COMEÇO POR TI Q ME FEZ DESDE ONTEM ESTAR NESTE TECLADO

TOCANDO TODAS AS TRAGÉDIAS E ETHERNIDADES QUE O ANO DE DOIS MIL E DÓSE

NOS DOZOU

UM TYAZO DE MORTOS

MAIS PROXIMOS E MUITO AMADOS POR NÓS DO OFICINA UZYNA UZONA

E POR MUITOS OUTROS BICHOS HUMANOS VIVOS

 MORTES TÃO RECENTES

 TÃO JUNTAS

 Q QUASE ORGYAÁSTICAS

 1ª (ou última) A ETHERNIDADE DE QUASE DOIS DIAS DE ERICSON PIRES

 ERICSON E LEANDRA LEAL VIVIAM A IDADE FATAL

16 ANOS

CONTAGIARAM DO GOZO DO PRIMEIRO GOSTO DE LIBERDADE

O MOVIMENTO DOS MENINOS QUE QUERIAM VOTAR LOGO

E GANHARAM

UMA GERAÇÃO VITORIOSA

O TE LIGA 16!”

INSTITUEM OS APITAÇOS NAS PRAIAS DA ZONA SUL

SUB TEXTO:

“MACONHEIROS! OS HOME TÃO CHEGANDO! AÇÃO
 APITO APITARRRRRRRRRRRRRRRR

NA ORGYA de “BACANTES”

NO FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO DO RIO DE JANEIRO

 NOS GALPÕES IMENSOS DA ZONA PORTUÁRIA DA CIDADE

 ERIC PIRES TRAVESSO

 ATRAVESSA A CENA EM TRAVESSIA

 COM UM CORO INFINDO DO TE LIGA 16!

 NUMA PROVA DOS 9 DA ALEGRIA

 DA MULTIDÃO

 DA SUA GERAÇÃO

 CADA UM FUMANDO

 E EMPESTEANDO O AR

 COM SEUS CHARUTAÇOS DE MACONHA

 UM BANDO

 DE GAIVOTAS

 GAROTOS E GAROTAS DE IPANEMA

 Q PASSA

 EM ESTADO DE GRAÇA

 E RE -TRAÇA

 NO PASSO DA LIBERDADE RE-BOLADA

 O BRASIL DOS 90 DO SÉCULO PASSADO

 LIGANDO POR ESTAREM LIGADOS

 FOCO NO TRAÇO

 DE ERICSON PIRES

 MARLON BRANDON MENINO DE 16 ANOS

 Q VIU E VIVEU TUDO Q OFICINA UZYNA UZONA FEZ VIVER

 E PROCRIOU UM LIVRO SOBRE NOSSO CORPO

 ALÉM DE MUITOS OUTROS FILHOS E FILHAS Q FEZ

 A ETHERNIDADE DE ERICSON PIRES NASCEU ONTEM

 EM TODOS OS DNAS DOS MUNDOS

 TE RE-LIGA 16!!!

 
 2ª- A ETHERNIDADE DE QUASE DIAS DE AZIZ AB’SABER SÁBIO GEÓGRAFO APAIXONADO

TOMBOU NO CONDEPHAT A SERRA DO MAR DA JURÉIA E O TEAT(R)O OFICINA

LUTOU SEMPRE COM A POLITICA DA CIÊNCIA E DO AFETO PELA EXPANSÃO DO OFICINA UZYNA UZONA EM “ANHANGABAÚ FELIZ CIDADE”

DEIXOU A SUBSTITUIÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VOTAÇÃO NO CONGRESSO PELA INVENÇÃO DE UM CÓDIGO DA BIODIVERSIDADE BRASiLEIRA


47 DIAS DA ETHERNIADE DE PEDRO EPIFÂNIO

CAPOERISTA FUNDADOR DO BIXIGÃO NO OFICINA ONDE FORMOU A 1ª LEVA DE CRIANÇAS ATUADORAS EM “OS SERTÕES”

EM QUE ERA ATOR NA PERSONAGEM DO GENERAL DE ANTÔNIO CONSELHEIRO EM CANUDOS: PAJEÚ


52 DIAS DA ETHERNIDADE DE ELAINE CESAR

VIDEO-CINEASTA POETA DE INÚMERAS OBRAS VIRTUAIS SOBRE A AMAZONIASAÚDE e ETC…. ATUADORA DO OFICINA UZONA CYBER PRODUTORA E DIRETORA DE INÚMEROS

DVDS DAS PEÇAS DA TRAGYCOMÉDIORGYA

DE UMA EXPOSIÇÃO NO ITAÚ OBRA PRIMA EM PARCERIA COM MARCELO DRUMMOND SOBRE MEU TRABALHO DE ARTISTA E DA BELEZA DO FILME Q CRIOU COM TADEU JUNGLE “EVOÉ”

 ATACADA VIOLENTAMENTE PELO PATRIARCALISMO DO EX MARIDO E PELA IGNORÂNCIA DE UM JUIZ DA “VARA DA FAMILIAFOI PUNIDA COM A PERDA DA GUARDA DE SEU FILHO THÉO , TEVE O CONFISCO DE TODO SEU EQUIPAMENTO DE TRABALHO E DO MATERIAL DO OFICINA, AMEAÇADA DE PERDER DEFINITAMENTE A GUARDA DE THÉO, SE CONTINUASSE A TRABALHAR NO OFICINA, CONSIDERADO UM TEATRO PORNOGRÁFICO (O Q É MESMO: GRAFIA DE PUTAS).

 LUTOU BRAVAMENTE ALEM DOS LIMITES HUMANOS

POR SEUS DIREITOS REVELANDO-SE UMA ESCRITORA PODEROSA AO CRIAR O elainecesar.blogspot.com DE LUTA POR TODAS AS MULHERES PELA LIBERTAÇÃO DA BOÇALIDADE PERSISTENTE AINDA DO PATRIARCALISMO MUNDIAL

À ELA CONSAGRO UMA NOVA CENA da “MACUMBA ANTROPÓFAGA PLANETÁRIA NO BIXIGA” A ESTREAR NO PRÓXIMO MÊS ONDE A PERSONAGEM É ACOMETIDA COMO FOI NESTA SITUAÇÃO DO MARTÍRIO IMPOSTO PELA INJUSTIÇA DE TOGA NUM JUIZ

DE UM CÂNCER

MAS DANDO A LUZ À OBRA DE ARTE Q CRIOU COM O ATOR FRED STEFEN: o menino q nasceu prematuro, pequenino, mas agora VIVE GRANDE FORTE, E CHAMA “RUDÁ”, O DEUS DO AMOR DOS INDÍGENAS E DO BICHO HUMANO,

ELA MESMA UMA DEUSA DO AMOR LIVRE E PRECIOSO

É ENORME O AMOR POR ESTES AMADOS SERES Q VIVEM NO DNA DO COSMOS E NA GRANDEZA DAS OBRAS, DOS SONHOS QUE NOS TRANSPORTAM À VIDA ETHERNA DO AMOR E DA ALEGRIA.

Q SUAS TRAGÉDIAS SEMPRE HÃO DE NOS INSPIRAR AGORA NESTE MUNDO GIRANDO RÁPIDO DEMAIS