arquivo

Arquivo mensal: julho 2011

Yesterday we, from Oficina Uzyna Uzona, interrupted our rehearsal and went in solidarity to those who took Funarte intending to fight for the no Ministry of Culture’s money contingency, against its unreasonable two thirds cutting in the Budget.

Before going to this meeting, I’ve read the Group Manifest and was shocked by its bureaucratic language, “cover”, “parroting” (repeating stupidly) the Arabic revolution’s ENOUTH, LOSE PATIENCE.

A document that kidnaps Culture in a bad written text, and makes it prisoner of the academic illiterate political language, full of resentment, “indignation”, “intimations”, “requirements”, etc..

I’ve been, for more than 50 years, used to the language of a Left parody, that I call “a nível de” (pejorative colloquialism), or “cuecona” (“Mr. Fancy Paints”), but that was a democratic left. Oficina and Arena were friends, exchanged their divergences as creation.

As I’m in solidarity to social movements that make those who have the Power to “represent” us act not for State reasons, but for the real thing that appoints their Power, the Culture, I went there anyway. With desire, maybe even for professional and social reasons, of transmitting our divergences around a text that seemed to not “topple”, and get to our common goal.

We, from Oficina, by history sync, are staging our position, facing the actual positions that castrate Culture, through the staging of “Manifesto Urbano Antropófago” of Oswald de Andrade, staged as a “macumba” indeed, “mandinga”, to obtain what we want to provide to the world: the Bixiga’s rebirth through an Urban Cultural Passion Square – that we call “Anhangabaú da Feliz Cidade” (“Anhangabaú of the Happy City”) – result of our fight against the SS. Silvio Santos Financial Video Group, lovely human animal, after 30 years of War, offer us to exchange his Lands in the preserved surrounding area of Teatro Oficina, in return to Union land, the other Public Powers, to raise the Anthropophagical University, the Stadium Theatre and the Reforestation of BIXIGA.

We Culturally Express our desire to Public Art through the Art of Theatre and of Macumba Sorcery.

But, obviously, we’ll eat and be eaten by other Manifests that look for recognition of the Value even Economic specific of the Theatrical Art.

We went to the occupation, because we’ve been squatters of Teatro Oficina for 50 years, we have something in common, but do not agree in signing the Manifest in the terms formed by the Funarte occupants.

But, I saw what I’ve never expected to see: The building occupied by artists was closed with medieval bars. Am I out of my mind?!

I came in the room where there was an Assembly going on, and, when my presence in the Room was announced, I couldn’t help to ask: WHY ARE THE GATES CLOSED? DIDN’T GET IT.

In a HOMELESS or MST occupation it’s normal to take strict security measures, after all, they’re people who will live in the places they take, buildings or camps.

But in a “Culture Occupation”, in a concrete democratization of the formal democracy process we live, this occupation doors have to be opened to the Crowds. Even to those that not make Art or professionally produce the “Cultural Cultivation”.

If the Police appears to this manifestation consented by the State, it’d be the opportunity of having the support of the Police earthly beings to the Cultural Movement.

The Culture we make for everybody, of all classes, ages, for ourselves. The responsibility we artists have to produce, in the changing “batucada” of Life rhythm, is huge, the creation of New Common Values that are the Infrastructure where everything is based.

This Culture and Life creation symbiosis is blurred by Religions, Ideologies, partisan views that want to monopolize the interpretation of life.

And we have to produce our work, our fruits, from the own tree that is our Equal Human Animal Body, in anthropophagy, miscegenation, with our similar.

In the Art of Theatre, for instance, we seek the knowledge of the world both Social and Cosmic in our body, and we find out how colonized we were when discovering our vital pulse. So we crash layers and layers of Masks, Breastplates, with what the “Spectacles Colonizing Society” civilized us.

And we always do it together where we search for the maximum development of our Individual and Collective Potential. In these searches we create the energy, the fuel, the “axé” that give us, all the colonized, back our perception of having Human Power of Freedom and Creation to act deconstructing the old systems so news are born.

We realize, it were us human animals that created State, Corporations, Parties, Religions, Sciences, Economies, Systems, and it’s up to and from ourselves and our Art, interfere on what was created, but now, in the moment, draws, congests, infarcts, the natural movement of live procreation of the nature and the machines that serve us. At last Marx’s beautiful verse: the forces of production through the reunited mortals change the relations that stiffen live pulse fluxes.

Getting to Funarte as the director of, not sure, 30 to 50 actuators present in the play we were rehearsing, I asked for permission to give our contribution and support in the middle of the assembly that was going on so we could go back to Oficina to rehearse that night. I explained: we debut on August 16th, 50 years birthday of Teatro Oficina, and we are late because we’ve been rehearsing for six months, because of the public cuts in the Culture Area, without a penny.

I was luck to make a small participation in a Globo sop opera, and my torture indemnification has come. With this capital, and some small money that drips on the Production House of Oficina Uzyna Uzona, I go along everybody who has something in the Tyazo = Theatre Group, sharing money, food, bed, and looking for the money we need to be able to have the party we want on the 16th.

What move us is that we are in love with our creation, it inspires us to even create surviving strategies.

We opened our intervention in the Funarte Occupation, song the Ciranda  “Tupy or Not Tupy”, by the deceased big artist popular genius Surubim Feliciano da Paixão, inspired by the answer “Tupy” by Oswald to the question the Art of Theatre brought up to the human species: To Be or not To be.

Although some grumbled “here is not a place to party but to work”, the Majority adhered and “Ciranded”.

But I dared to make commentaries about the Occupants Manifest, that I’ve read, like a critic and democratic way to get together in a more effective text both for the public and the Power to grant what we intend to: the money owned to the Cultural area replacement, crucial in this moment in which Brazil grows and needs the Creative, inventive spirit to cross the wonderful End of American Empire changes.

But when I said that us from Culture were not “workers”, that go to the factory to make a car and receive a salary but “Culture Cultivators”, the “Worker” Taboo brought the colonized unconscious of Imaginary and Repertoire of the Classic Gestures of the 19th Century Worker, of the threatening Roman Fascists Crossed Arms, expelled by an atomic bomb energy pressed by Hate.

We were being expelled by disagreeing to the old words Xerox Manifest, written without Specific Cultural whimsy.

Letícia Coura tried to start “Samba do Teatro Brasileiro” (“Brazilian Theatre Samba”), by Tião Graúna, Arroz and Flávio Rangel, but they started our expulsion yelling the “COMMAND WORDS”.

Slaughtering sounds made us leave in one to one line, like in the Ibiúna UNE students prison in military dictatorship.

I felt the precious Unlock of the Ministry of Culture Budget cause captured by a Mafia, of one of the “Hate Groups” that are fashion in the old Capital Patriarchal Order agony.

The Occupation is Autophagic. Either People or Media do not get in. It’s restricted to a Commanded Group. Instead of taking Funarte, make the Cultural Space work as we dream of, studying intelligently and poetically effective, new, strategies that sound the ears with the irresistible seduction of Art, I saw a gang of Inexperienced Scouts, more worried about the Kitchen rotation than the Today Brazil Cultural Kitchen.

In this anti-Anthropophagic isolation, I repeat Autophagic, they worship the belief in a Almanac Ideology that mistakes the São Paulo Left Fight, with the Skin Heads and the TFP. They’re undertaken by a phobia, an Oficinaphobia that is not different from the Homophobia. They believe in a unique truth that came canned with the words “ENOUTH”, “WE’VE LOST THE PATIENCE”, “WE’RE OUTRAGED”. As if someone could have the feat of creating, anxiously, indignantly, heatedly, the lose of Pa-Science.

So, what I saw yesterday, worshipping the Hate Fundamentalism. They act like a Gang that have taken hostage the Cultural Movement. To, in the future, become congressmen and get into the Public Power Gangs.

The Impression I had was the worst, but I put faith in some soul-bodies that were there to notice this Hate Show that the OficinaUzynaUzona presence brought out and transmute this Hate into Love of Life, of Culture, of Creation, of Diversity.

This Occupation in the name of Culture has to open its doors to everybody, ‘cause Culture is desire and necessity of any human being. And listen the ones who disagree with this Occupation way. Culture is part of Biodiversity. Its biggest inspiration is Freedom, the Art of desire to co-star with its Opposites, without “COMMAND WORDS”.

It’s impossible for an artist, a creator, that has to make up strategy, values, solutions, submit himself to “COMMANDS WORDS” of canned conscience.

The Cultural Social Movement is Politic in itself, is Human Power, Free, do not serve to any Religion, Ideology, Party.

The Culture cannot be manipulated by what they unconsciously call “Politic Conscious”.

Maiakowiski for me represents all the humanity fight for freedom of Art. With his verses he have proved, in the Russian Revolution, that had the same, or more, value than factories.

In the failure of religion, ideologies, of al “isms”, including capitalism, era itself, we have the extraordinary opportunity of going along the GREEN ECONOMY that, once overcome the Industrial era Colonial Taboos Obstacles, will come so quickly as the Internet. At this moment, Culture is Gold and exists against it a prejudice, I noticed yesterday, bigger than Racism, Homophobia. It’s urgently needed that from our creation we fight to declare Culture’s Independence, and the recognition of its Incommensurable Power.

I wrote in the presidential elections a text of support to the President Dilma Roussef, even feeling that at that time she, as Caetano Veloso, could not notice the importance of Lula’s Government in the Ministry of Culture potentiating in its Budget for the first time in the Brazilian History and germinating a Cultural Spring to explode in the year 2011.

I feel that us, Artists, we can make President Dilma Roussef see the importance of the Ministry of Culture Budget by being so proud of Lula’s, Gil’s, Juca’s Management for the WONDERFUL POVERTY ERADICATION IN BRASIL strategy.

Without creativity, invention, scientific and artistic spirit, this goal will not have drive from the crowd to happen.

The Brazilian people Enthusiasm for football, carnival, creation of culture that is produced is the PRE-SALT of the END OF BODY AND SPIRIT POVERTY.

Since 1968, it were the indians that taught us, the occupation is a way of legitimate direct democracy, I’m entirely in favour, but may it not be in a jail.

Lets set Culture Free from its Prisons.

To the Funarte Prision Haters.

To the Department of the Treasury Safes.

José Celso Martinez Corrêa.

Sampã, 29th of July 2011.

Anúncios

Ontem nós do Oficina Uzyna Uzona interrompemos nosso ensaio e fomos prestar solidariedade aos que ocuparam a Funarte com o objetivo de lutar pelo descontingenciamento da verba do Ministério da Cultura, do corte absurdo em dois terços de seu Orçamento.

Antes de sair para este encontro li o Manifesto do Movimento e fiquei chocado pela linguagem burocrática, “cover”, papagaiando a revolução árabe no CHEGA, no PERDER A PACIÊNCIA.

Um documento que seqüestra a Cultura num texto muito mal escrito, e a faz prisioneira da linguagem política de analfabetice acadêmica, cheia de ressentimento, “indignação”, “intimações”, “exigências”, etc..

Eu já estou há mais de 50 anos habituado com a linguagem de uma paródia da Esquerda que chamo de “a nível de”, ou “cuecona”, mas essa era uma esquerda democrática. Oficina e Arena eram amigos, trocavam suas divergências em forma de criação.

Como sou solidário a movimentos sociais que façam com que os que estão no Poder nos “representando” ajam não pelas razões de Estado, mas pela coisa concreta que nomeia seu Poder, a Cultura, fui para lá mesmo assim. Com desejo, acho que até por obrigação profissional e social, de transmitir nossas divergências em torno de um texto que parecia que não iria “bater”, e atingir nosso objetivo comum.

Nós do Oficina, por sincronia da história, estamos encenando nossa posição, diante das posições atuais que castram a Cultura, através da encenação do “Manifesto Urbano Antropófago” de Oswald de Andrade, encenado em forma de Macumba mesmo, mandinga, pra obter o que queremos dar ao mundo: o renascimento do Bixiga através de uma Praça da Paixão Cultural Urbana – que chamamos de “Anhangabaú da Feliz Cidade” – fruto de nossa luta com o Grupo Vídeo Financeiro SS. Silvio Santos, bicho humano adorável, depois de 30 anos de Guerra, nos propõe trocar seus Terrenos no entorno Tombado do Teatro Oficina, por terras da União, ou outros Poderes Públicos, para erguermos a Universidade Antropófaga, o Teatro de Estádio e o Reflorestamento do BIXIGA.

Expressamos culturalmente nosso desejo de Arte Pública através da Arte do Teatro e da Feitiçaria da Macumba.

Mas óbvio que comeremos e seremos comidos por outros Manifestos, Movimentos que visem o reconhecimento do Valor até Econômico específico do da Arte Teatral.

Fomos à ocupação, pois somos Posseiros há 50 anos do Teatro Oficina, temos uma algo em comum, mas não concordamos em assinar o Manifesto nos termos que os ocupantes da Funarte formularam.

Mas, vi o que nunca esperava ver: O prédio ocupado por artistas estava fechado com ferrolhos medievais. Pirei?!

Entrei na sala onde se realizava uma Assembleia, e no que anunciaram minha entrada na Sala, não pude deixar de perguntar: PORQUE OS PORTÕES ESTÃO FECHADOS? NÃO ENTENDI.

Numa ocupação dos SEM TETO ou do MST é normal que tomem-se medidas severas de segurança afinal são pessoas que vão morar nos lugares que tomam, sejam prédios ou acampamentos.

Mas numa “Ocupação de Cultura”, no  processo que vivemos de democratização concreta da democracia formal, as portas desta ocupação têm de estar abertas às Multidões. Mesmo aos que nem fazem Arte ou produzem profissionalmente o “Cultivo Cultural”.

Se a Polícia comparecer nesta manifestação consentida pelo Estado, seria a oportunidade de ter o apoio dos seres terrenos da Polícia ao Movimento Cultural.

A Cultura fazemos para todos, de todas as classes, idades, para nós mesmos. É enorme a responsabilidade que temos nós artistas de produzir, na batucada cambiante de ritmos da Vida, a criação de Novos Valores Comuns que são Infraestrutura em que tudo se baseia.

Esta simbiose Cultura e criação da Vida é embaçada por Religiões, Ideologias, visões partidárias que querem monopolizar a Interpretação da vida.

E temos de produzir nossa obra, nossos frutos, a partir da própria árvore que é nosso Corpo de Bichos Humanos Iguais, em antropofagia, miscigenação, com nossos semelhantes.

Na Arte do Teatro por exemplo buscamos conhecer o mundo tanto Social como Cósmico em nosso corpo, e decobrimos quanto fomos colonizados quando descobrimos nossas pulsões vitais. Então vamos espatifando camadas e camadas de Meascaras, Couraças, com que a “Sociedade Colonizadora de Espetáculos” nos civilizou.

E fazemos isso sempre juntos onde buscamos o desenvolvimento máximo do nosso Potencial Individual e Coletivo. Nessas buscas criamos a energia, o combustível, o axé que devolve a nós todos colonizados, nossa percepção de termos Poder Humano de Liberdade e Criação para agirmos desconstruindo os velhos sistemas para nascerem novos.

Percebemos, fomos nós bichos humanos que criamos Estado, Corporações, Partidos, Religiões, Ciências, Economias, Sistemas, e que cabe, a partir de nós mesmos e de nossa Arte, intervir no que foi criado mas que agora no momento, empata, congestiona, enfarta, o movimento natural de procriação viva da natureza e das máquinas que nos servem. Enfim o belo verso de Marx: as forças de produção através dos mortais reunidos, mudam as relações que emperram o fluxo das pulsões vivas.

Chegando a Funarte como diretor de, não sei contar, entre 30 a  50 atuadores presentes na peça que ensaiávamos, pedi licença para dar nossa contribuição e apoio, no meio da Assembleia que rolava pois tínhamos que voltar ao Oficina pra ensaiar naquela noite. Expliquei: estreamos dia 16 de agosto, aniversário dos 50 anos do Teatro Oficina, e estamos atrasados porque estamos ensaiando há seis meses, em virtude dos cortes públicos na Área da Cultura, sem um tostão.

Tive a sorte de fazer uma ponta numa novela da Globo, e minha idenização pela Tortura ter chegado. Com esse capital, e algum dinheirinho que pinga na Casa de Produção do Oficina Uzyna Uzona, vou juntamente com todos que tem alguma coisa no Tyazo = Grupo de Teatro, compartilhando dinheiro, comida, cama, e buscando o dinheiro que precisamos pra podermos fazer a festa que queremos fazer dia 16.

O que nos move é que estamos apaixonados por nossa criação, ela nos inspira até a criar estratégias de sobrevivência.

Abrimos nossa intervenção na Ocupacãp Funarte, cantamos a Ciranda “Tupy or Not Tupy”, do falecido grande artista gênio  popular Surubim Feliciano da Paixão, inspirada na resposta “Tupy” de Oswald à questão que a Arte do Teatro levantou para a espécie humana: Ser ou não Ser.

Apesar de alguns resmungarem “aqui não é lugar de festa mas de trabalho”, a Maioria aderiu e Cirandou.

Mas eu me atrevi a fazer comentários sobre o Manifesto dos Ocupantes, que havia lido, como uma forma crítica e democrática de conseguirmos nos juntar num texto mais eficaz tanto para o público como para o Poder conceder o que pretendemos: a reposição do dinheiro devido à área Cultural, decisivo neste momento em que o Brasil cresce e precisa do espírito Criador, inventivo, para atravessar os desafios das mudanças maravilhosas do Fim do Império Americano.

Mas quando eu disse que nós da Cultura não éramos “trabalhadores”, que vão à uma fabrica construir um carro e receber um salário mas sim “Cultivadores da Cultura”, o Tabu “Trabalhador” trouxe o inconsciente colonizado do Imaginário e do Repertório dos Gestos Clássicos do Trabalhador do século 19, dos Braços Cruzados ameaçadores dos Facistas Romanos, expelido por uma energia de bomba atômica recalcada de Ódio.

Estávamos sendo expulsos por discordarmos do Manifesto Xerox de velhas palavras, escrito sem capricho Cultural Específico.

Letícia Coura tentou puxar o “Samba do Teatro Brasileiro”, de Tião Graúna, Arroz e Flávio Rangel, mas começava nossa expulsão aos berros das “PALAVRAS DE ORDEM”.

Sons massacrantes nos fizeram sair em fila de 1, como na prisão dos estudantes da UNE em Ibiúna na ditadura militar.

Senti a Causa preciosa do Desbloqueio do Orçamento do Ministério da Cultura capturada por uma Máfia, de um dos “Hate Groups” que hoje são moda na agonia da velha Ordem Patriarcal do Capital.

A Ocupação é Autofágica. Não entra o Povo, nem a Mídia. Está restrita a um Grupo Comandado. Em vez de tocar a Funarte, fazer o Espaço Cultural funcionar como sonhamos, estudando inteligente e poeticamente estratégias eficazes, novas, que toquem os ouvidos com a sedução irresistível da Arte, vi um bando de Escoteiros Cabaços, mais preocupados com o revezamento na Cozinha que com a Cozinha Cultural do Brasil Hoje.

Neste isolamento anti-Antropofágico, repito Autofágico, cultuam a crença numa Ideologia de Almanaque que confunde a Luta da Esquerda em São Paulo, com os grupos de Skin Heads e a TFP. Estão tomados de uma fobia, d’uma Oficinofobia que não difere em nada da Homofobia. Acreditam numa verdade única que veio enlatada com as palavras “CHEGA”, “PERDEMOS PACIÊNCIA”, “ESTAMOS INDIGNADOS”. Como se alguém conseguisse a proeza de criar, na ansiedade, na indignação, no ódio, na perda da Pá-Ciência.

Estão, o que vi ontem, cultuando o Fundamentalista do Ódio. Atuam como uma Gangue que tomou o Movimento Cultural como refém, para no futuro virarem deputados e entrarem nas Gangues do Poder Público.

A Impressão que tive foi a pior possível mas boto fé, que alguns corpos-almas, que lá estavam, tenham percebido este Show de Ódio que a presença do OficinaUzynaUzona trouxe à tona e transmutem este Ódio em Amor à Vida, à Cultura, à Criação, à Diversidade.

Esta ocupação em nome da Cultura tem de abrir suas portas para todos, pois Cultura é desejo e necessidade de qualquer ser humano. E ouvir os que não estão de acordo com a forma de Ocupação. A Cultura faz parte da Biodiversidade. Sua maior inspiração é a Liberdade, a Arte de desejar contracenar com seus Contrários, sem “PALAVRAS DE ORDEM”.

É impossível um artista, um criador, que tem de inventar estratégia, valores, soluções, submeter-se às “PALAVRAS DE ORDEM” de consciências enlatadas.

O Movimento Social Cultural é Político em si, é Poder Humano, Livre, não serve á nenhuma Religião, Ideologia, Partido.

A Cultura não pode ser instrumentalizada pelo que chamam inconscientemente de “Consciência Política”.

Maiakowiski pra mim representa toda a luta da humanidade pela liberdade da Arte. Com seus versos provava, na Revolução Russa, que tinham o mesmo, ou mais valor, que as fábricas.

Em plena época do fracasso das religiões, ideologias, de todos os ismos, inclusive do capitalismo, temos a oportunidade extraordinária de ir ao encontro da ECONOMIA VERDE que, uma vez superados os Obstáculos dos Tabus Coloniais da era Industrial, chegará tão veloz quanto a Internet. Neste instante a Cultura é Ouro e existe contra ela um preconceito, percebi ontem, maior que o Racismo, a Homofobia. É preciso urgentemente que a partir de nossa criação lutemos para proclamar a Independência da Cultura, e o reconhecimento de seu Poder Incomensurável.

Escrevi nas eleições presidenciais um texto de apoio a Presidente Dilma Roussef, mesmo sentindo que na época ela como Caetano Veloso, não percebiam a importância no Governo Lula, do Ministério da Cultura potencializado em seu Orçamento pela primeira vez na História do Brasil e germinando uma Primavera Cultural para explodir no ano de 2011.

Sinto que nós, Artistas, podemos fazer ver à Presidente Dilma Roussef a importância do Orçamento do Ministério da Cultura, de que tanto nos orgulhamos na gestão Lula, Gil, Juca, para sua estratégia MARAVILHOSA DE ERRADICAÇÃO DA POBREZA NO BRASIL.

Sem criatividade, invenção, espírito científico e artístico, este objetivo não terá pulsão das multidões para acontecer.

O Entusiasmo do povo brasileiro pelo futebol, pelo carnaval, pela criação da cultura que produz é o PRÉ-SAL do FIM DA POBREZA DE CORPO E DE ESPÍRITO.

Desde 1968, foram os índios que nos ensinaram, a ocupação é uma forma de democracia direta legítima, sou inteiramente a favor, mas que não seja feita dentro de um cárcere.

Libertemos a Cultura das suas Prisões.

A dos Odiadores na Prisão Funarte.

A dos cofres do Ministério da Fazenda.

José Celso Martinez Corrêa

Sampã,  29 de julho de 2011